terça-feira, 30 de janeiro de 2007

Maravilhas da Natureza (90) Alexandra Lencastre





ALEXANDRA LENCASTRE. Actriz.
Alexandra Svetlana Grigorievich Iakovleva Fiodorovna Lencastre. Portugal. Lisboa. 41 anos.

Nota: A segunda tuga na nossa lista nasceu na Lapa. É gente boa. Quando era novinha viveu em casa de Virgilio Ferreira. Até que uma bela manhã reparou que aquele não era o seu Virgílio. O legítimo usava apelido Castelo. Desfeita a confusão, o falso casal ainda tomou o pequeno-almoço na Tentadora de Campo d'Ourique. Ferreira tomou a costumeira chávena de bílis e comeu uma torrada seca com hortaliças. Despediu-se da Lencastre com amargura e azedume. O legitimo Virgilio Castelo recebeu-a de volta com um silêncio cool e só ao fim de dois anos perguntou casualmente por que razão ela tinha estado a morar 23 dias na casa de Virgilio Teixeira. «Ferreira», esclareceu ela. Aceite a explicação, Virgilio abanou a cabeça, sorriu e retomou a leitura. Acabaram por se separar dois anos depois. A seguir, a actriz tomou-se amores por um emigrado holandês de cara quadrada chamado Piet, com quem casou por algum tempo. Rezam as crónicas que Piet era de tal maneira ciumento que não suportava que alguém olhasse mais de dois segundos para o corpanzil da mulher, nomeadamente as mãos. Também não gostava que ela andasse com roupa decotada e justa e nem queria ouvir falar de monokini e fio-dental.
O casal colapsou quando a Lencastre, numa gala transmitida pela TV, foi projectada de cabeça para baixo pelo sr. Herman José e mostrou inadvertidamente ao público o reduzido fio dental preto que usava por debaixo do vestido. Piet, na plateia, sorriu e fingiu que tinha achado graça. Mas não tinha. E ficou colérico quando notou que todos os presentes – de Nicolau Breyner a Eladio Clímaco, passando por Eduardo Moniz, Vitorino, Ribeiro e Castro, Pina Moura, Joaquim Bastinhas, Emidio Rangel, Pinto Balsemão, Adriano Jordão, Firmino Bernardino, Costa Malheiro, Luis Pereira de Sousa, Otelo, Dina Aguiar e Ramalho Eanes – estavam a comentar com grande à vontade a roupa interior da actriz. Quando Piet ouviu Rangel ciciar para Balsemão: «cuequinha minima, corpo máximo», disse um palavrão em holandês - «caraaag den haag!!!» -, empurrou os dois velhos ratolas e abandonou o evento. Em casa, comunicou à actriz que se queria divorciar por causa do sucedido. Ela aceitou - «está bem», não sem antes sublinhar que o dentista lhe tinha recomendado que usasse o fio dental com frequência. Consumada a separação, a Lencastre decidiu casar uns tempos com um fotógrafo libidinoso que, ao invés do emigrado holandês, gostava de visuais arejados. Oh se gostava. A Lencastre teve então oportunidade de expressar toda a sua sensualidade, entregando-se sem falsos pudores à máquina fotográfica do chapeiro, nomeadamente as mãos.
O casal rompeu quando a actriz, avisada por Manuela Ramalho Eanes, descobriu que o companheiro enviava e comentava as as fotos que lhe tirava com parceiros de charla cibernética, entre os quais Rangel, Elton John, Balsemão, Costa Malheiro, Boris Becker, Pina Moura, Joana Amaral Dias, Eduardo Gageiro, Lobo Pimentel e Nicolau Breyner, entre muitos outros.


Professor Palladium

3 comentários:

rui esteves disse...

Caro professor Palladium

Não sei onde arranja essas informações todas, mas esqueceu-se de referir um detalhe importante: foi o arquitecto Saraiva que avisou Alexandra Lencastre que Virgilio Ferreira não era o marido dela

Anónimo disse...

Ana e os sete mamões, lembram.se?

Anónimo disse...

Lobo Pimentel? talvez o júnior...