sexta-feira, 17 de novembro de 2006

Santana, triste fadinhoooo




A pretexto do livro, Santana Lopes voltou à TV para choramingar suas desditas. Dois anos passaram e ele continua a ser o único que ainda não percebeu. Que diacho!, ninguém explica a este homem o que lhe aconteceu e porque lhe aconteceu? Ninguém diz a este homem para estar calado, para fazer «luto», para não nos moer mais o juízo?
E sobretudo, para PARAR de vez com a choradeira e a vitimização acrescida de auto-elogiozinho disfarçado! Que praga, senhores! Eu olho para o dr. Pedro e já não vejo um Santana, vejo um Calimero.

Por que será que nenhuma alma caridosa lhe sopra ao ouvido:

-- Shôtor... é que passaram dois anos e ninguém quer saber.

Ou, mais prosaicamente:

-- Daaaaaa. Pedro, acorda.

Ou, com ordinarice:

-- Foda-se Pedro, baza!

Depois passei para a SIC-Notícias. Estavam os Senhores Bettencourt Resendes e Luis Delgado a trocarem vacuidades e fugi logo. São figuretas que não me dizem um corno. Mesmo assim ainda vi o sr. Delgado, moço de fidelidade canina, arreganhar o canino e escorrer um pouco de baba pelo dr. Santana. As porcarias que se vêm na televisão.

Estimações e aventuranças

Barão de Lacerda

1 comentário:

luis azevedo disse...

Não há pachorra para o Santana Lopes, realmente. Não há luto politico que resista quando o próprio cadáver insiste em aparecer. Também não gosto do Luis Delgado, tem olhinho de serpente e discurso maníqueista. Já não se usa. Quanto ao sr. Resende, é como muitos outros comentadores: vai aparecendo e larga uns bitaites.