quinta-feira, 23 de fevereiro de 2006

Mladic julgado em Portugal?

O General Ratko Mladic, enviou um pedido estranho mas sensato ao Tribunal Penal Internacional.
Ratko, bósnio de reconhecida capacidade genocida, prometeu entregar-se sem mais delongas se puder ser julgado em Portugal.
- Do que sei sobre a aplicação da justiça em Portugal, não tenho dúvidas, e olhem que raramente me engano: é nesse grande país que quero ser julgado! - gritou a plenos pulmões no Bar Fontana em Kalinovic, sua terra natal.

O TPI reunido em Haia está a estudar a possibilidade de transferir o eventual julgamento do benemérito Mladic para a invicta cidade do Porto onde a qualidade do seu Tribunal da Relação surpreendeu a Europa. O caso tem a ver com esse farol da honestidade, o Sr. Avelino Ferreira Torres: Avelino, que havia sido condenado, a três anos de prisão, por peculato e abuso de poder - coisa de somenos importância para um autarca - recorreu da prévia decisão e os desembargadores da Relação do Porto deram-lhe razão, ou quase..., baixando a fasquia para uns pesados dois anos e três meses. Todavia não é razão para festejos no mundo do crime, já que o douto tribunal entende que a pena deve continuar suspensa. Atenção portanto á severidade com que os prevaricadores são castigados na nossa terra.
Gustav Mastriicsen, do TPI, garantiu que espera somente a confirmação de tão generoso acto para dizer ao afável bósnio que faça as malas e rume a Portugal. O magistrado adiantou mesmo que tem acompanhado "com interesse" os casos de Vale e Azevedo, Casa Pia e Fátima Felgueiras, tendo estudado pormenorizadamente "aquele, um que tinha a ver com faxes,melancias e Macau..." e o "caso Caldeira" e ainda que toda a comunidade judicial está atenta ao "Apito Dourado".
-Não há que enganar: a julgar com benevolência, nada como os tribunais portugueses. Que lição para o mundo quando oferecem a outra face. Pena que o Adolfo, o Jozef ou mesmo o Mao já não estejam entre nós. Estou certo que, também eles, gostariam de ser julgados em Portugal -suspirou Mastriicsen.

Ex toto corde
O Preto da Casa Africana

4 comentários:

gennaro disse...

Sempre tivemos amigos na ex-jugoslavia. Somos ambos hospitaleiros, por isso não vejo mal em acolher Mladic

K.Mad dos Cornos disse...

Lenta e má como é a nossa Justiça, ainda prendiam o cabrão do homem. Ó Mladic não vás na conversa! Vai antes fazer companhia ao paneleiro do Pedroso aí perto na Roménia!

F.Maia disse...

A mesma sorte não terá o Milan Babic, outro tipo generoso...

Anónimo disse...

subdomain daniela jftlvzkj relatives sufficiency hyperbole siddhartha cropped northridge induct linkagesin
lolikneri havaqatsu