sexta-feira, 30 de dezembro de 2005

Apre! Até que enfim...


Caras leitoras e leitores
É com grande prazer que vos lembro que o fim de 2005, anno horribilis aliás, se aproxima a passadas largas. Foi ano em que cousas maravilhosas aconteceram no nosso amado País. Relembremos algumas: O ex-Deputado Paulo Pedroso que depois de, alegadamente, enrabar uns tantos malandros menores de idade, mostrando-lhes para os incentivar uma terceira mama - fenómeno digno de figurar num próximo livro de Lobsang Rampa se este fosse vivo, sequência natural da afamada obra "A Terceira Visão"( ou "O Terceiro Olho" em tradução mais adequada), e com o título óbvio de "A Terceira Teta"-, é mandado para casa, prometendo enriquecer com o dinheiro dos contribuintes numa eventual indemnização. Nas eleições autárquicas a Dra. Fátima Felgueiras, após alargada temporada em Copacabana, onde deve ter passado por enormes dificuldades já que quando por cá chegou vinha gorda como um porco de Barrancos, teve o magnânime gesto de se entregar nas mãos da Justiça da qual fugira. Apreciando a delicadeza da criatura, uma Juíza de 2ªcategoria deixou-a solta para acabar eleita presidente da Câmara da terra que, curiosamente, lhe empresta o apelido. O Major lá vai cantando e rindo da mocidade que passa com o apito na algibeira, enquanto o Isaltino, Conde d'Oeiras volta ao seu lugar natural. No entanto, nem tudo foi mau: Janeca Soares, mesmo com o chucha-bodes de seu Pai violando a lei eleitoral sem que com isso sofresse sequer uma diarreia, perdeu para o opositor lá para as bandas de Sintra, enquanto o Sr. de Bárbara Guimarães foi enxovalhado na esburacada capital. A acabar em beleza sabe-se que o prédio (diria palacete...) onde viveu e acabou por entregar a alma ao Criador, o romântico Almeida Garrett, pertence ao triste ministro Manuel Pinho que já obteve da edilidade alfacinha autorização para demolir a cousa e, supõe-se, construir um qualquer mamarracho parecido com ele mas com garage. Justifica-se brilhantemente a Câmara de Lisboa chefiada pelo Carmona que não tem verba para arranjar a casa e, portanto, que se dane. Do Governo e da oposição não vale perder espaço nem tempo, pois que mudando as moscas, ficou a merda. Mas isso, e sabêmo-lo bem, já é costume... Fora de poucas-vergonhas da política, o escriba Saramago este ano perdeu com larga margem para o também estrangeirado Mourinho na corrida para o Prémio Arrogante do Ano, enquanto o pateta maestro Vitorino nos deixou em paz servindo de rapaz-publicidade dos canais Lusomundo, entretanto vendida num negócio que cheira a esturro à légua ao Oliveirinha dos desportos, rapaz que subiu a pulso na vida. Senão vejamos: no Mundial da bola de 86, o famigerado de Saltillo, o nosso prezado tinha como actividade, devia ser um hobby..., colocar painéis publicitários nos estádios e, menos de 20 anos passados compra a dita empresa por 300.000.000 de Euros... Talvez em 2006 voltemos com mais lembranças, porque por ora tenho de ir vomitar.

Fiquem com Deus, agora acompanhado ao piano por R. Nixon e tenham um óptimo ano

O Preto da Casa Africana

1 comentário:

Gregório disse...

Ou foi da buba do reveillon (agora transformada em ressaca...) ou também me apetece vomitar depois de relembrar umas poucas das muitas vergonhas que se passam cá na terra. Foda-se, bem hajam e melhor ano para o restaurador e para todos nós.